segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Hoje falta um mês

Pois é, daqui a um mês vou comemorar mais um aniversário, desta vez faço 43 anos, já é muito tempo de vida, muita história para contar, várias vidas dentro de uma só ...
O bom desta idade é que traz mais qualquer coisa para além de flacidez, rugas, estrias e celulite. Traz renovação, dicernimento, equilibrio, segurança, de como é possível sermos donos das nossas escolhas, das nossas vivências, estou feliz com quase 43 e isso é o que realmente importa.

Lembrei hoje de um texto que foi e é muito importante na minha vida, foi sempre um apóio, uma orientação, uma linha mestra de conducta (meu pai nos apresentou - para meu irmão e eu, ainda quando erámos muito criança, que o avô Rui também tinha mostrado a ele) do autor e poeta inglês, nascido em Bombaim, Índia britânica: Joseph Rudyard Kipling.


SE


Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.
De crer em ti quando estão todos duvidando,
e para esses no entanto achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,
ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar - sem que a isso só te atires,
de sonhar - sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,
tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,
em armadilhas as verdades que disseste
E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas,
e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,
tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
a dar seja o que for que neles ainda existe.
E a persistir assim quando, exausto, contudo,
resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,
e, entre Reis, não perder a naturalidade.
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,
ao minuto fatal todo valor e brilho.
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo,
e - o que ainda é muito mais - és um Homem, meu filho!

Rudyard Kipling

2 comentários:

jozehugo disse...

Maninha, à muito tempo procurava essa mensagem na internet e, ainda esses dias achei lá em casa um quadro que fazia parte do primeiro escritório do Pai, com esta mensagem. Gostei muito do teu blog. Saudade de ti! Beijão.

Minhas vidas disse...

Meu querido,
Esta mensagem esteve sempre presente nas nossas vidas, sinto o quanto foi e é fundamental nunca esquecer as nossas raízes, os nossos valores.
Te amo muito.
Sinto muitas saudades também.
Fica com Deus